BARREIRAS ACÚSTICAS E NOVAS TENDÊNCIAS


Os engenheiros e acústicos sabem há anos que as barreiras acústicas que se encaixam nas rodovias urbanas e suburbanas dos Estados Unidos são apenas de utilidade marginal, e que uma variedade de tecnologias poderiam ser desenvolvidas. O problema é que ninguém tem incentivo para levá-los à estrada.


"As paredes não são uma solução muito eficaz", disse Robert Bernhard, vice-presidente de pesquisa da Universidade de Notre Dame e especialista em controle de ruído. Como o governo federal paga por paredes de ruído - e apenas barreiras acústicas - como parte dos projetos de expansão de rodoviária há pouco incentivo para que os pesquisadores continuem testando e aperfeiçoando as alternativas.


A preocupação na implementação de barreiras acústicas é importante. Há casos de aumento das emissões em residências distantes das barreiras em rodovias, casos durante a subidas de paredes sonoras e situações em determinadas condições climáticas. As barreiras não bloqueiam efetivamente o som e podem até ajudar a ampliá-lo. E o que é pior é que estes fatos são conhecidos por todos, contudo não devidamente empregadas as correções pelo clima da região.


Normas regionais para aplicação de modelos normalizados sugerem não considerar os efeitos do clima, buscando uma reprodutividade e menor dispersão dos resultados simulados. O software iNOISE se destaca, pois permite as duas considerações.


Modelos para Simulação, destaque ao INOISE da DGMR:


Os EUA usam um modelo de ruído específico para prever o som em autoestradas que serão expandidas para uso nos estados. A fórmula complexa inclui a mistura de carros e caminhões que são esperados na estrada; os edifícios vizinhos e a vegetação na área que podem bloquear algumas emissões sonoras, incluindo as configurações e a qualidade do terreno entre a estrada e as residências. Também inclui as formas em que o som deve difratar, transmitir e absorver em torno da parede; dentre outros fatores de influência determinantes.


Com base na fórmula, se o ruído simulado supera o limite normativo do governo, por exemplo chegando a 67 decibéis na curva A (dBA) durante a hora mais crítica em função do período do dia é "razoável e viável" reduzir pelo menos 5 dB em determinadas residências mais sensíveis. O governo dos EUA exige que as barreiras acústicas sejam incluídas se a comunidade no entorno as requisitar. Apenas o que constitui "razoável", é claro.


Mesmo com a redução do som, no entanto, é improvável que as residentes próximas a estrada continuem ouvindo os grilos. Para se ter uma ideia dos limites considerados: uma máquina de lavar louça que funciona próxima sala emite neste local emite 50 dBA, assim como os sons ambientais de uma cidade de médio para grande porte. Então, nesses casos nos EUA o critério de ruído tem como objetivo permitir que as pessoas conversem sobre sua mesa de piquenique no quintal, ou que possibilita o entendimento da fala a vários metros de distância. "Não é uma situação em que o cumprimento da norma deixa ótimo o ambiente no quintal".


Subjetividade, Diretividade e Origens das Emissões Sonoras nas Rodovias:


Algumas das nossas habilidades humanas para processar o som são psicológicas: se as pessoas puderem ver o topo dos caminhões na parede, eles dizem que é mais ruidoso, algo que as pessoas no campo chamam de "psicopedagogia" ou subjetividade individual, explicou Bruce Rymer, engenheiro sênior da Departamento de Transportes da Califórnia.


Completando, apenas assegurando que um muro rompa essa linha de visão, "conseguimos uma redução de 5 decibéis", disse Mariano Berrios, coordenador de programas ambientais da FDOT. Isso se deve ao ruído viaja como ondas, não em linhas retas, os sons são transmitidos e passam por cima das paredes difratando. É por isso que, mesmo com barreiras de 16 pés, as residências a várias quadras de distância podem ouvir a rodovia. Parte da onda sonora é absorvida, parte é refletida e difratada longe das barreiras e parte é transmitida, explicou Berrios. "A maior parte vai acima da barreira e é difratada, e chega ao receptor", isto é, nos ouvidos de um residente - disse ele.


Os motores de carros em rodovias de alta velocidade não são os maiores fatores, embora nos casos dos caminhões possam haver situações diferentes. Estes ruídos nas estradas são oriundos de três elementos distintos: o escapamento e o motor; a aerodinâmica em torno dos veículos e rodagem dos pneus na estrada. Em função da velocidade da rodovia , o som predominante para carros passa a ser do pavimento devido aos choques e rolagem dos pneus. Para caminhões, os motores e "stack sound" são normalmente o fator mais relavante.


Então, se a maior parte do ruído é causada pelos pneus e pela estrada, alguns especialistas sugerem atacar na fonte - ou testar outros métodos que possam absorvê-lo - pode ser uma abordagem mais eficaz e menos dispendiosa. Algumas empresas de pneus fizeram pesquisas sobre como tornar os pneus mais silenciosos, contudo a maior parte de seus esforços são impedir o ruído de penetrar no interior do carro e não os silenciar no exterior, disse Bernhard.


E, enquanto isso os carros elétricos são muito mais silenciosos do que os carros com motores de combustão interna, contudo, em alta velocidade continuam sendo os pneus e o pavimento as maiores fontes de emissões.


Na Europa há pavimentos especiais com características construtivas e de materiais que minimizam estas emissões.


Critério Normativos dos Modelos da ISO 9613 e nos EUA:


O clima não é levado em consideração pelos regulamentos nos processos de simulação. O modelo de ruído "assume condições neutras - sem efeitos de vento e sem temperatura - quando na realidade essas situações sem estes efeitos acontecem apenas ocasionalmente", disse Reiter. No início da manhã, por exemplo, se o chão estiver frio, mas o ar aquece o som que normalmente seria empurrado para cima é refratado para baixo, fazendo com que as casas a cerca de 500 ou 1.000 metros da estrada percebam a elevação dos níveis de pressão sonora.


Isso é especialmente problemático durante certas condições climáticas. Quando a empresa de consultoria Bowlby & Associates, em Franklin, no Tennessee, mediu sons em torno de uma rodovia em um estudo ainda a ser publicado, eles descobriram que os residentes a centenas de metros da rodovia podiam ouvir sons uns 5 decibéis mais alto se o vento fosse soprando em direção a eles, disse Darlene D. Reiter, presidente da empresa.


Esse fato constatado nos EUA, também foi identificado no Brasil a partir de um estudo e soluções acústicas escolhidas por um cliente da empresa de consultoria 3R Brasil Tecnologia Ambiental, uma referência nesta área no Brasil. Onde foi destacado durante as soluções customizadas escolhidas pelo cliente que os valores estavam muito próximos aos limites normativos, isto é, fora da margem de segurança recomendada. Contudo, devido a curtos foi a solução escolhido pelo cliente, ainda com problema de execução. Então, em medições posteriores realizadas durante 24 horas contínuas, como parte do programa de monitoramento contínuo da empresa, foi constatado que devido ao clima, as variações dos níveis de pressão sonora nas residências distantes acima de 30 metros das barreiras ficaram em torno de 5 dBA, embora as fontes causadoras fossem contínua e oriundas de dezenas de moto geradores na produção de energia, isto é, fontes de características contínuas.


Resposta da Comunidade e do Ambiente em Diferentes Situações do Terreno:


As barreiras gigantes também bloqueiam animais pequenos - rãs, tartarugas, cobras - de um habitat para outro, disse Elizabeth Deakin, professora emérita de cidade e planejamento regional na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Isso pode afetar a comunicação sobre a vida selvagem, a migração e até mesmo a reprodução. Além disso, aqueles moradores que vivem em colinas ou perto de aberturas de freeway às vezes acham que o ruído realmente piora quando as paredes são construídas nas suas proximidades.


Claro, é compreensível por que os vizinhos cujas casas fazem fronteira com uma rodovia queram algo que mitigue o ruído. O tráfego interfere com o gozo do seu quintal. Ter carros tão próximos de uma casa pode até causar problemas de saúde. De acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde de 2011, o ruído ambiental leva a doenças cardíacas, hipertensão e comprometimento cognitivo em crianças.


Tendências atuais das modelagens georreferenciadas (BlueAeroVision e BlueVisionScan):


O documento Europe2020 indica uma nova estratégia para transformar a UE numa economia inteligente, sustentável e inclusiva. Os governos estabeleceram vários princípios e prioridades para o crescimento que incluem desenvolvimento sustentável, participação e descentralização. O planejamento participativo é uma ferramenta importante para fortalecer a legitimidade da política e a tomada de decisões. Para tornar isso possível, as decisões e as opções de design devem ser aceitas e testadas pelos diferentes participantes da comunidade, partes interessadas, especialistas e até não especialistas, como cidadãos comuns. Este processo seria facilitado se as pessoas pudessem realmente avaliar as complexas variáveis multissensoriais do ambiente, como as que são representadas pelos parâmetros acústicos e visuais.


O objetivo do presente estudo era entender se os estímulos acústicos e visuais de um ambiente simulado na realidade virtual imersiva (IVR) eram suficientemente congruentes com seus elementos correspondentes no contexto real. Depois de experimentar configurações reais e laboratoriais, dois grupos independentes de participantes foram, respectivamente, convidados a preencher questionários sobre: avaliações qualitativas globais, coerência e familiaridade com estímulos acústicos e visuais. Nossas descobertas mostraram que as modernas tecnologias IVR multisensoriais podem representar com sucesso uma ferramenta inteligente e inovadora para aprimorar o planejamento participativo, prevendo o impacto na comunidade e seu ambiente complexo.


Ref: Meryl Davids Landau is a Florida-based journalist whose work has appeared in a variety of publications, including U.S. News & World Report, Glamour, Vice Media, Parents, Reader’s Digest, Good Housekeeping, and Prevention, among others. E, artigos dos sites www.3RHsec.com e 3RBrasil.com.br.

NoiseAtWork & iNOISE(Ferramentas Indispensáveis)