NoiseAtWork (NAW) - Mapeamento Acústico Ocupacional

Complementar a medição de ruído ocupacional com o estado da técnica!

Para aquisição segura: Clique Aqui!

O NAW com as novas versões é acessível economicamente e indispensável para a gestão do agente ruído ocupacional. Agora vem com o mapatwork incluso duplicando suas funcionalidades e abrangências; permitindo o gerenciamento de diversos agentes de riscos ambientais. Portanto, complementa e customiza os processos de medição, validação e implementação de medidas de controle individuais ou coletivas pelo tempo de permanência na área de trabalho. Na instalação o mesmo já vem com a opção em Português. Veja vídeo de gestão de ruído ocupacional com ferramenta de mapeamento acústico (clique aqui).


A partir dos mapas de nível de pressão sonora, por exemplo, da unidade avaliada a partir da técnica de modelagem acústica ocupacional, introduz-se percursos de trabalho, grupos homogêneos, EPI e tempo de permanência no posto de trabalho, obtendo resultados precisos da exposição dos colaboradores. Então, de forma simples e clara com o preenchimento do tempo de permanência em cada posto do percurso, ou atividade, são calculadas automaticamente a exposição do grupo homogêneo avaliado, permitindo classificá-los em grupo de demanda habitual (GDH) ou grupo de demanda esporádica (GDE), além de auditar as áudio-dosimetrias anuais e anteriores. Indispensável para peritos, gestores, engenheiros, higienistas, fiscais e empresas offshore.


As versões B e D permitem a modelagem acústica ocupacional com cálculos normalizados da exposição em função da tarefa, posto de trabalho ou jornada (ISO 9612), composta na seção do software chamada de dose. São cálculos normalizado em função dos parâmetros das normas como: limite de exposição, tempo critério, taxa de troca e limite de integração. Portanto, atendendo as normas nacionais NR 15 anexo 1 e 2 do Ministério do Trabalho e Emprego, o procedimento técnico da NHO-01, as Instruções Normativas do INSS ou outros critérios de normas internacionais.


"A ISO 9612: 2009 (última atualização em 2014) - Trata de critério de engenharia para determinação da exposição no ambiente de trabalho, contemplando os níveis ponderados em dBA, mas também é aplicável aos níveis ponderados em dBC. Três estratégias diferentes para medição são especificadas nesta norma. O método é útil quando é necessária uma determinação da exposição ao ruído para grau de engenharia, isto é, a quantificação da exposição confiável. Também para estudos detalhados de exposição ao ruído ou estudos epidemiológicos sobre danos auditivos ou outros efeitos adversos." (ref. M.Sc Rogério Dias Regazzi).


Os NAWA, NAWB, NAWC e NAWD são eficientes e modernos irão reduzir significativamente o tempo que você gasta normalmente para obter os resultados das avaliações ambientais. Os mapas acústicos com todas as funções estão disponível no NAWD (Tipo D).

 
 
 
 

NOVAS TENDÊNCIAS DO LEGISLADOR (CLIQUE EM TAC e eSOCIAL):


A modelagem acústica ocupacional é uma tendência mundial para a gestão dos agentes de risco.


Como destaque da integração das áreas com destaque a ocupacional, destacamos o eSocial e os recentes termos de ajuste de conduta no MTE e do INSS. Entre as exigências dos diversos Termos de Ajustamento de Conduta firmados recentemente estão: vedação ao estabelecimento de ações genéricas; efetiva antecipação e reconhecimento da totalidade dos riscos existentes no meio ambiente de trabalho; necessidade de avaliação periódica dos instrumentos/equipamentos de medição utilizados para a elaboração de programas de prevenção a riscos ambientais através de instituições/laboratórios acreditados pelo INMETRO; adoção de equipamentos de proteção individual (EPI) apenas quando comprovado a inviabilidade técnica da adoção de medidas de proteção coletiva, ou quando estas não forem suficientes ou se encontrarem em fase de estudo, planejamento ou implantação, ou, ainda, em caráter complementar ou emergencial; e necessidade de fundamentação formalizada nos casos de sugestão de adoção de equipamentos de proteção individual (EPI) em detrimento dos equipamentos de proteção coletiva (EPC).


Nesse contexto, as empresas devem investir em gestão dos risco e treinamentos constantes dos membros na área de SST e ambiental de forma a manterem-se capacitados e atualizados. Com a informação e o conhecimento orientando adequadamente sobre necessidades, as questões normativas e legais que devem ser atendidas.


Muitas empresas contratam serviços de medições ambientais para quantificação de risco e emissão de laudos realizados por higienistas e técnicos de segurança do trabalho, um equivoco grave, onde o profissional legalmente habilitado são os Engenheiros de Segurança do Trabalho e Médicos do Trabalho capacitados na área, com destaque as Normas Técnicas da Engenharia, portanto, de responsabilidade do Engenheiro de SST assim como os Médicos do Trabalho nas normas de quantificações e análises biológicas; claramente destacado na NR-9 dentre outras NR(s) e nas IN, Instruções Normativas do INSS e definições de Normas Técnicas.


Com relação as TAC(s) uma dos questionamentos seria a necessidade de envolvimento de diretores, área de compras e advogados. Pois em muitos casos a área técnica é vencida e levada a aceitar determinados serviços e produtos que não desejam, embora muitas vezes alertam, mais pela lei do mais valia, cedem e ficam com a responsabilidade que deveria ser dividida com seus pares e prepostos. Advogados são solidários e corresponsáveis por estratégias que prejudicam os colaboradores.


 
 

A falta de capacitação e treinamento adequado dos prepostos também é um bom exemplo, pois não se investe, algumas vezes de forma intencional, para repassar responsabilidades e obrigações aos prepostos da área de SSMA das empresas. Quando destacamos a questão ocupacional na realidade usamos a regulamentação nesta área para alertar a necessidade de sólidos conhecimento de engenharia e em acústica para atender adequadamente as necessidades.


Mais-valia (tradução livre do original alemão Mehrwert) é o termo famosamente empregado por Karl Marx à diferença entre o valor final da mercadoria produzida e a soma do valor dos meios de produção e do valor do trabalho, que seria a base do lucro no sistema capitalista.NOTA IMPORTANTE: muitos empresários e advogados reclamam de gastos e burocracias na área de SSMT, sem se ater que são obrigações naturais destes para seus colaboradores, embora claramente regulamentadas.


São de simples aplicação e pragmáticas, basta seguir de forma adequadamente e com responsabilidade que o investimento retorna rapidamente com menos impostos, valor de seguros, custo com advogados e perícias. Fomentando processos de trabalho mais eficientes, com menor absenteísmos e maior produtividade, pois caso contrário os custos de passivos, impostos, indenizações e insegurança jurídica serão sempre maiores, basta mudar essa cultura.

 
 
NoiseAtWork & iNOISE(Ferramentas Indispensáveis)